.Posts Recentes :

. PREFÁCIO DO RELATÓRIO DO ...

. ARQUITECTURA COVILHANENSE...

. VOLTA A PORTUGAL DOS LIVR...

. REGIÃO DE TURISMO DA SERR...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

.Arquivos :

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Pesquisar neste Blog

 

.Uma Rádio feita só para ti

.tags

. todas as tags

.Apresentação de final de período

Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

TERRAS PARA NÃO MAIS CULTIVAR OU ? ...

 

 

A METADE DOS TERRENOS PARA CULTIVO,

 Á ESCALA PLANETÁRIA, ENCONTRA-SE, PRATICAMENTE, DEGRADADA …

 

    Como é do conhecimento público – todavia, não será, demais, lembrá-lo -, um terreno considera-se degradado, logo que, perca uma parte das suas funcionalidades habituais, como sejam, a de continuara a garantir a alimentação das plantas, a de filtrar as águas, ou ainda, a de albergar uma boa biodiversidade.

     Segundo os dados divulgados pela Millennium Ecosystem Assessment, em 2005, o fenómeno de degradação dos solos atinge valores alarmantes, e não é para menos. Estamos a falar em, cerca de, metade de toda a área de cultivo, dispersa por todo o globo.

     E, como não poderia deixar de ser, mais uma vez, as quatro grande formas de degradação, já identificados pelos estudos efectuados, comprovam aquilo que se esperava : envolvem, para mal dos nossos pecados, a intervenção localizada do homem.

     Desde logo, a primeira das razões apontadas é a erosão hídrica, em grande parte, desencadeada pela intensa exploração agrícola, passível de se considerar como a principal responsável pelo impedimento da penetração, em condições óptimas ou muito próximo, das águas nos ditos terrenos.     

 

No caso específica da erosão eólica, é sob o efeito do vento que se viabiliza o desgaste acentuada dos solos. Neste âmbito, contudo, as grandes planícies dos Estados Unidos da América e os planaltos do Norte da China acabam por ser as regiões mais afectadas ; pelo menos, em grande escala.

Um terceiro factor envolvido tem a ver com a composição química dos terrenos para cultivo, agravadas pela absorção desmesurada de minerais, ou provocado por dejectos e poluentes deixados ao mais profundo abandono.

 

Um quatro motivo prende-se com reincidentes terraplanagem, algumas vezes, em complexo efeito borboleta, à custa de pesados engenhos que, aos poucos, vão danificando a natural “textura” destes solos – neste caso, contribuindo, largamente, para que as raízes inculcadas se desenvolvam em condições deficitárias.   

 

Acresce a tudo isto, o cada vez mais premente problema da desertificação das florestas, seja ele, motivado por incêndios florestais de grandes proporções, seja por mera interesseira “agrimensura bolsista”. A verdade é que, ano trás ano, milhares de hectares de floresta teimam em continuar a desaparecer, com a agravante da contribuição para o aumento das emissões de dióxido carbono – já, por nós, comentadas num dos nossos recentes posts, numa interessante entrevista de Filipe Duarte Dias.

Por mais triste que seja, não se pode escamotear este cenário, aliás, ainda mais preocupante, para os países em vias de desenvolvimento, com os óbvios atrasos técnicos e financeiros a que, por vezes, se acrescenta uma elevadíssima densidade populacional.

Mesmo que Roland Poss, investigador do Institut de Recherche pour le Développement, e cumulativamente, Presidente da Association Française pour l´Étude du Sol, fale em “espiral de degradação” - e, enquanto, europeístas convictos que somos -, deveremos tentar manter a serenidade e algum optimismo, pelo meio desta cinza com poucos tons de verde, e acreditar que a Directiva para os Solos, emitida, em Setembro de 2006, pela Comissão Europeia, de então, nos possa vir a trazer algumas agradáveis surpresas …

 

 

Fontes Creditadas Consultadas :

 

Le Monde Diplomatique, “L´Atlas environnement – Analyses et solutions, Hors-série”, pp 16 - 17

 

Millennium Ecosystem Assessment, 2005

 

GLASOD, ISRIC-UNEP, 1990

 

Global Resource

Information Database Europe : www.grid.unep.ch

 

Institut de Recherche pour

le Développement : www.ird.fr

 

Organização das Nações Unidas

para a alimentação e agricultura,

divisão da terra e da água:

www.fao.org/landandwater .

Sinto-me: DEG ... A SOLO ... POIS ...
tags:
Publicado por $urrealHumanity às 03:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
|
1 comentário:
De esscpalfredogarcia a 5 de Janeiro de 2008 às 02:30
Parabéns pelo excelente vídeo que nos transmite, de forma clara e objectiva, as magníficas condições existentes na vossa Escola.
Parabéns pelo resultado obtido e continuação de bom trabalho!

Comentar post

.Lloret de Mar

.Mais sobre mim

.Tu fazes parte deste número

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Favoritos :

. Apresentações CCC on the ...

.LinKs

blogs SAPO

.subscrever feeds