.Posts Recentes :

. PREFÁCIO DO RELATÓRIO DO ...

. ARQUITECTURA COVILHANENSE...

. VOLTA A PORTUGAL DOS LIVR...

. REGIÃO DE TURISMO DA SERR...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

.Arquivos :

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Pesquisar neste Blog

 

.Uma Rádio feita só para ti

.tags

. todas as tags

.Apresentação de final de período

Domingo, 13 de Janeiro de 2008

ARCHI & TEKTON, VISTO À LUZ DA PÓS-MODERNIDADE EMERGENTE

 

 

MATERIALIDADE

REPRESENTAÇÃO

ARQUITECTÓNICA :

 UM CASAMENTO ANUNCIADO NOS

ANAIS DA HISTÓRIA UNIVERSAL 

 

 

        São conhecidos do grande público, as assumidas discordâncias interpretativas das principais concorrentes modernas, emergentes no decurso do século XIX e mantidas durante todo o século XX. Contudo, uma realidade indesmentível salta à nossa vista : nas grandes questões de fundo, todas estas concepções, aparentemente, diversas, resultam num grande entendimento, ao nível dos pressupostos estruturantes, quando pensamos nas sucessivas hermenêuticas, inevitavelmente, associadas à conceptualização da materialidade, em Arquitectura.

       

    Nos últimos anos, a crescente vaga de proliferação das ditas Novas Tecnologias, numa escalada, a cada dia que passa, visivelmente, mais e mais veloz, ao colocar no mercado produtos e mais produtos, técnicas produtivas e demais idiossincrasias ergonómicas, tem, fortemente, contribuído para um progressivo afastamento dos alicerces e da correspondente estrutura axiomática, conotadas com a visão arquitectónica moderna, em benefício de um novo quadro valorativo – um pouco, em jeito de síntese hegeliana.

 

   

     Como bem o refere Luís Santiago Baptista, no seu último artigo, publicado pela Revista arq./a, editada, já, este mês, “(…) a história da arquitectura moderna pode ser entendida como a tentativa constante de sustentar essa conformidade entre a matéria e a sua representação (…)”, o que, manifestamente, não sucede com a apregoada pós-modernidade, a qual “(…) se manifesta através da desconstrução dessa relação estruturante, afirmando a impossibilidade de estabelecer de modo directo e transparente essa correspondência entre a natureza do material e a sua configuração visual.” Daí, nada mais natural, do que as portas se tenham entreaberto para legitimar, até certo ponto, a exploração contemporânea da materialidade. Cada vez mais, os patchwoks funcionam como pousadas desconcertantes, para acolher os velhos e os recém-criados conceitos, em peregrinação ontológica, na esperança de roçar o divino, mais próximo de nós.

 

 

 

       Desde logo, a reiterada unidade e reafirmada coesão da concepção, dita moderna, da materialidade arquitectónica, é passível de descortinar, na raiz, como inquestionável, tanto no quadro das teorizações germânicas ou francófonas, ou mesmo, anglo-saxónicas. Nomes sonantes como : o do moralista John Ruskin, para o qual o importante era “(…) realizar uma arquitectura honesta (…)” ; o do materialista Gottfried Semper, que nos aconselha, vivamente, a deixar “(…) os materiais falarem por si e mostrarem-se indisfarçados (…)” ; ou do mais tecnicista Viollet-le-Duc, desejoso por “(…) inaugurar uma nova arquitectura (…)” , ainda, que se inspirasse em modelos medievais.

       

      Seja como for, não deve ser escamoteada, aqui, pelos Surreal, até porque a mentira seria absoluta, a cisão conceptual da história da arquitectura moderna.

Duas escolas cerraram fileiras, para chegar, em primeiro lugar, tendo conseguido se implantar e, mesmo, singrar, no plano das novas interpretações : de um dos lados da barricada, temos o arquitecto franco-suiço, Le Corbusier, com uma concepção anti-matérica bem vincada e, aliás, grandemente, sustentada na ruptura trazida pela onda devastadora de industrialização ; do outro lado da contenda ideológica, o norte-americano, Frank Lloyd Wright, para quem, em clara contraposição com o seu directo opositor, as verdadeiras obras não deveriam quebrar os vínculos com a enorme densidade das tradições construtivas imemoriais.

 

Pelo que, das duas uma : ou bem que a nova estética veste a pele “da nova era da máquina, apostando numa indumentária mais artificial ; ou, caso contrário, terá de pautar-se por uma nova forma de mostrar “(…) a natureza dos materiais (…)”  e, assim, permitir que “(…) a sua natureza se afirme inteiramente nos (…) [nossos] projectos (…)” .

Fica, pois, claro que a arquitectura moderna se viu, a dado momento, rasgada do seu velho edifício estrutural, passando a habitar uma nova textura morfo-ontológica : uma nova ponte entre a expressão abstracta da imaterialidade e a experiência concreta da materialidade.

É, precisamente, para tentar solucionar este corte incisivo do tecido moderno,   Kenneth Frampton, decide “pegar” na ideia de “tectónica”, para chegar à questão da materialidade. Percebe-se o seu enorme anseio por poder “repor a velha ordem” e, é então que, para o efeito, entende por bem interiorizar – se é que se poderá dizer, deste modo – o pensamento de Martin Heidegger. Aliás, as suas palavras, nesta matéria, cremos não deixarem lugar a dúvidas : ”(…) Apenas se formos capazes de habitar, só então poderemos construir (…)”.

Vemos, em moldes bem nítidos, o radical questionar dos fundamentos da Modernidade, encetada pelo filósofo alemão, com alguns ecos de Nietschze, à mistura, e um frenético querer regressar, etimologicamente, ao dealbar das origens, bebendo do cálice, feito de poesis, pelas mãos imateriais de Holderlin ; e, talvez, mais subrepticiamente, pelas sementes de Franz Rosenzweig.

Hoje, as coisas encaminham-se rumo a outras paragens. Para já, a prática da Arquitectura actual vai à frente das teorias sistemáticas produzidas, até à data. A forte dimensão empírica e material das mais recentes construções, muitas delas geradas in vitro no seio de intricados softwares, talvez, estejam a fazer pender a balança para o parto dos processos de produção formal.

Concorde-se ou não, os SurrealHumanity, na pesquisa efectuada, no âmbito das últimas práticas mais apreciadas pela crítica especializada, depararam-se com a imponente figura de Sanford Kwinter.

 

 

Há uns tempos a esta parte, iniciou o processo de congregação da nova geração de arquitectos, com o intuito demarcado de explorar as novas materialidades e alcançar, a curto prazo, o novo “organon” para a arquitectura contemporânea. Segundo ele diz numa das suas obras,Leap in the Void : A New Organon ?”, datada de 1998, - uma década passou, portanto - mais precisamente, na sua página 25, “ (…) Cada vez mais, gostamos de pensar a prática em termos mais genéricos e elásticos.

 

 

No visão do articulista Luís Santiago Baptista, existem casos concretos de projectos, já implementados, que, de modo algum, iriam entristecer  as inamovíveis convicções de Kwinter : temos o soberbo Centro de Documentação Hirsch+Lorch e o Museu Tezuka, enquanto propostas efectivas destinadas a espaços públicos complexos ; ou, “puxando a brasa à nossa sardinha lusa”, à Casa do Arx Portugal e o Museu de Aires Mateus, para dar-vos dois nomes sonantes do nosso país.

 

 

 

cf. Revista “Arquitectura e Arte – M

Sinto-me: MATERIALMENTE UM ARQUITECTO !
Publicado por $urrealHumanity às 10:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
|

.Lloret de Mar

.Mais sobre mim

.Tu fazes parte deste número

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Favoritos :

. Apresentações CCC on the ...

.LinKs

blogs SAPO

.subscrever feeds