.Posts Recentes :

. PREFÁCIO DO RELATÓRIO DO ...

. ARQUITECTURA COVILHANENSE...

. VOLTA A PORTUGAL DOS LIVR...

. REGIÃO DE TURISMO DA SERR...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

.Arquivos :

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Pesquisar neste Blog

 

.Uma Rádio feita só para ti

.tags

. todas as tags

.Apresentação de final de período

Sábado, 26 de Janeiro de 2008

SURREALHUMANITY ON THE ROAD, EM COIMBRA

 

 

ILAÇÕES DOS SURREAL RETIRADAS

DA RUBRICA CCC ON THE ROAD

NA CIDADE DE COIMBRA

 

 

 

 Como não podia deixar de ser, nós, SurrealHumanity , fizemos questão em marcar presença nesta pertinente rubrica CCC On the Road , tida na bonita Cidade de Coimbra, no passado dia 23 de Janeiro.

 

 

 

 

 

Como todos aqueles que assistiram a este tipo de plenário, também nós, considerámos, extremamente, interessante este tipo de encontro, que veio proporcionar-nos a possibilidade de, não só, apresentarmos os nossos trabalhos e darmos a conhecer as nossas propostas, como também, poder aceder a esclarecimentose a sugestõe sessenciais,  tendo em vista o futuro das trajectórias individuais de cada um dos grupos.

Desde logo, a sorte esteve do nosso lado. Ainda que a nossa apresentação em Power Point não tivesse corrido como todos esperávamos - dado o grande envolvimento do grupo, na fase da sua preparação, tendo, inclusivamente, produzido um documento escrito adicional, entregue em mãos ao  Exmo. Professor  José Carlos Mota -, a troca de experiências, com outros grupos de Coimbra, e os aconselhamentos de pormenor ministrados acabaram por tornar-se decisivos para os nossos intentos.

 

 

 

 

 

Em primeiro lugar, convirá assumir, claramente, a nossa subvertida interpretação das linhas de orientação do concurso. Era nossa convicção que, no essencial, se tratava de um exercício de pura criatividade, que fosse capaz de apontar um novo conceito de Cidade ou, no nosso caso, de Cluster Regional.

 

CLUSTER DE UMA CIDADE VIRTUAL ?

Ficámos a perceber, em definitivo, que não se tratava de um mero jogo conceptual ; na realidade, o diagnóstico realizado no decurso do primeiro período deveria ter detectado dinâmicas de fundo, já existentes, de modo a, depois, se poder justapor, com outro tipo de contornos, essa pretensa conceptualização fundamentada.

 

 

 UNIÃO CULTURAL EUROPEIA : PONTE DO TURISMO

 

 

 

Em segundo lugar, foi-se tornando, cada vez mais, claro para o nosso colectivo, - designadamente, para o nosso Supervisor - que deveríamos, daqui em diante, proceder a profundas remodulações e reajustamentos de base, isto, naturalmente, sem nos desviarmos da linha de rumo edificada sobre o nosso conceito-chave : um novo sistema educativo pluridimensional, à escala europeia, a sitiar no nosso Cluster regional, que permitisse assegurar a perpetuação do projecto europeu em curso - já lá vão cinquenta anos -, graças a um novo conceito de cidadania europeia e a um outro tipo de enquadramento geopolítico,  que funcionasse como garante estruturante da coesão social das gerações vindouras.

 UM PROJECTO SURREAL MEIO QUIXOTESCO, NÃO ACHAM ?

 

 

Em terceiro lugar, no seguimento daquilo que já havia sido dito, ficámos a intuir, de alguma forma, que a animação dada ao nosso blogue, ao longo dos meses de Outubro, Novembro e Dezembro, se tinha mostrado meio difusa aos olhos dos visitantes ; a causa deste sucedido tinha a ver com a enorme variedade de temáticas abordadas, o que por si só não ajudava a encontrar o plano de articulação de toda a informação postada.

Por último, devemos, aqui, sublinhar, bem, o facto de termos sido aconselhados a reduzir o leque de áreas de intervenção, por forma a nos focalizarmos, dado o pouco tempo de que agora dispomos, em apenas dois aspectos fundamentais. Era nosso dever e nossa obrigação descortinar o que fazer.

SURREAL EM COIMBRA

O desafio era enorme e, no essencial, consistia em sermos capazes de, mantendo-nos fiéis às permissas de base, redimensionar a megalomania surrealista da nossa primeira versão - correspondendo, sabemo-lo hoje, a uma deturpação do caminho idealizado pelos mentores do concurso - e, a uma escala mais reduzida, como que lançar uma pequena semente, no terreno fértil da nossa zona de confluência, quem sabe, possa vir a servir de novo referencial de progresso para outras regiões, igualmente, em vias de progressivo depauperamento.

SURREAL EM PLENO CONVÍVIO

Foi, assim, que os Surreal, acusando o peso da responsabilidade, intentaram por mãos à obra e reavaliar o sentido da sua antiga trajectória. A pedido do nosso Supervisor fomos, como em outras ocasiões acontecera, pela via do brainstorming e, pouco tempo depois, tudo parecia voltar à normalidade.

CRIATIVOS EM COIMBRA

A nova perspectiva do nosso projecto começava a assumir a sua forma : a nossa tarefa primordial passaria a ser, dali em diante, o prolongar, à escala regional, o actual sistema educativo nacional vigente, no sentido de aproximar, ainda mais, o sistema educativo à realidade envolvente : nova rede de articulações, alicercadas em dinâmicas já no terreno, mediante o aproveitamento racional de unidades territoriais estruturantes existentes, religando escolas entre si e com as instituições de ensino superior, bem como, a sua ligação às empresas, aos movimentos associativos em funcionamento, às autarquias locais e aos espaços de cultura e de lazer construídos.

Como é evidente, no Portugal de hoje, a dimensão descentralizadora de concessão de autonomias regionais, designadamente às escolas, e a redefinição da relação dialógica entre a Economia e a Cultura, sob a nova bandeira do empreendorismo, não podem deixar se ser tidos em conta, nesta nossa reavaliação de projecto.

 

Poríamos, portanto, de lado, o nosso role de megaconstruções, idealizadas no mundo da mais pura utopia, para entroncar na realidade concreta do mundo presente, tão somente. A utopotrópole tinha de ser esquecida, pelo menos, no velho formato. Pelo que a sua substituta, como facilmente se depreenderá, só poderá ser a U.B.I. Seja como for, continuamos a manter, também, num formato mais simples, a nossa ideia de Shopping Cultural.

Face a este conjunto de alterações de fundo, como não poderia deixar de ser, tivémos, em acréscimo, de reformular o nosso Plano de Operacionalização Sequencial de Tarefas já elaborado, no início deste período.

 O AMOR É UM PLANO  DE ETERNIDADE QUE O HOMEM VÊ COMO INVISÍVEL,

RETRATADO NA SUA VIDA FEITA DE PAPEL SURREALISTA,

NUMA ESPÉCIE DE DÉCOR ONDE SE ENCONTRA COM OS DEMAIS

 

Sem pretender demorar muito mais, findamos este nosso comunicado de hoje, prometendo a toda a Blogosfera afecta ao CCC que, muito brevemente, os Surreal colocarão ao vosso inteiro dispor as suas novidades. É nossa intenção prioritária apresentar a nova versão do nosso trabalho, o quanto antes.

Um grande Bem Hajam a todos.

Parabéns a todos os grupos de Coimbra, pelo trabalho produzido.

Um especial agradecimento ao mentores do CCC On the Road .

 

 

 

 

Fiquem com um abraço fraterno dos SurrealHumanity .

Até jáaa ...

 

 

 

Sinto-me: TO C OR NOT TO C ON THE ROAD ?
tags:
Publicado por $urrealHumanity às 00:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
|

.Lloret de Mar

.Mais sobre mim

.Tu fazes parte deste número

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Favoritos :

. Apresentações CCC on the ...

.LinKs

blogs SAPO

.subscrever feeds