.Posts Recentes :

. PREFÁCIO DO RELATÓRIO DO ...

. ARQUITECTURA COVILHANENSE...

. VOLTA A PORTUGAL DOS LIVR...

. REGIÃO DE TURISMO DA SERR...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

.Arquivos :

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Pesquisar neste Blog

 

.Uma Rádio feita só para ti

.tags

. todas as tags

.Apresentação de final de período

Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

A TEORIA DOS QUATRO COMPLEXOS DA HISTÓRIA DE PORTUGAL, SEGUNDO O PENSADOR MIGUEL REAL

 

 PORTUGAL E EUROPA, AS DUAS FACES DA LUA ?

     

UM PORTUGAL SUCUMBIU, MAS UM NOVO SE ERGUE ...

QUAL É ESSE NOVO ESPLENDOR DE PORTUGAL ?

 

" O que interessa não são as condições da existência da população do Interior e os acessos à saúde. Interessa é a média da quilometragem europeia em que um doente está longe do hospital."

                                                    

           in Jornal do Fundão, Edição de 27 de Março : cf. Miguel Real, pp 22-23

     

 

      Muito se tem falado, nestes últimos tempos, na sensação, partilhada pela sociedade civil portuguesa, de um mal-estar difuso que se vive nos mais diversos recantos do nosso território nacional. Claro que, nesta matéria, o Interior português, nomedamente o beirão, prima por dar cartas : uma excelsa figura emblemática da panorama actual.

    Neste dia bem soalheiro, tivemos o privilégio de encontrar alguém que, de alguma forma, subscreve muito de tudo aquilo que temos procurado enfatizar : a tecnocracia centralizadora e estatizante, que impera nos meandros da actividade político-partidária, não deixa espaço para os "quixotescos objectores de consciência anti-estatísticas" poderem respirar.  Não restam dúvidas a ninguém, pensamos nós, que este sintoma, bem captado pelo primor do senso comum, esta espécie de apneia colectiva, é a prova mais que provada de que são os NÚMEROS quem COMANDAM A VIDA ; para muito desgosto de António Gedeão, alma grande mais afecta aos sonhos.

   Até parece que as Utopias desfalecerem, depois do fracasso insuportável da ex-URSS. Não seria de supor, questionamos nós, que depois da Queda do Muro de Berlim, muitas outras fantasias, em nome de um mundo melhor, passassem a proliferar ?

    Da parte do professor, ensaísta e pensador da Cultura Portuguesa, Miguel Real, a propósito do pensentimento colectivo da Terra de Santa Maria, o grito que se faz ouvir é, em tons bem dissonantes dos de Antero de Quental, a declaração de morte de Portugal ; pelo menos, de um Portugal : o do Império ; o do V Império.

 

 ÚLTIMO LIVRO DE MIGUEL REAL, "A MORTE DE PORTUGAL"

 

   Em termos muito resumidos, os Surreal são favoráveis a um aprofundamento da essência do "ser português", sob pena de qualquer resposta criativa encontrada ou de uma qualquer "boa prática estrangeira importada", vir a desmoronar, em pouco mais do que um ápice, como se de um castelo de cartas se tratasse. Daí, o termos parado, por momentos, para ouvir Miguel Real.

   O que nos traz, hoje, é a sua teoria dos Quatro Complexos culturais da nossa identidade colectiva :

o primeiro, que ele intitula de Complexo de Viriato, originário da primeira metade do século XVI, numa altura em que o país vivia o auge da sua expansão ultramarina, posto a nu - segundo o autor - pela pena atenta de Sá de Miranda, que tende a elevar a humildade e a ética nacionalista de Viriato em detrimento da asquerosa fidalgia, vivendo luxo e luxuriosamente à custa do dinheiro oríundo da Índia ; 

o segundo complexo, temporalmente muito próximo do primeiro já dado a conhecer, cola-se à nossa marcante perda da Independência política para Espanha, no dealbar da prolongada distania filipina vinda de terras castelhanas : este é o Quinto Império, do mais esplendoroso orador de que há memória, o sacerdote jesuíta e diplomata, António Vieira, doando à posteridade todo o seu providencialismo messiânico, fazendo reacreditar a nação de que a época de ouro voltaria, de novo, um dia, até mesmo o nosso Agostinho da Silva ;

o terceiro, nos alvores da Restauração, no rescaldo de uma depressão violenta, demonstrou muitas dificuldades na hora de matar a fome às populações, intensificando-se esta tendência no Reinado de D. João III, até ao aparecimento irrompante do Marquês de Pombal e à muleta do ouro do Brasil, que pouco mais fez do que alimentar falsas ilusões a uma economia debilitada, obsoleta e inoperante do ponto de vista da sustentabilidade, celebrada pela corte em alto devaneio - pelos vistos, o apodo de pombalino é capaz de assentar que nem uma ajustada carapuça ;

e, por último, o quarto complexo, classificado de canibalista, pelo especialista em Estudos e Cultura Portuguesa, forjado no seio do mito sebastiânico bem caro ao nosso anseio de imortalidade, que vai mantendo intacta uma certa crença na única tábua de salvação credível : uma forte e implacavelmente branda mão de um modelar homem de estado.

    

    António de Oliveira Salazar sofreu, pois, do complexo de Viriato : "(...) puros, modestos, pobres mas honrados, orgulhosamente sós, mas portugueses (...)".

   Já da parte do actual Primeiro-ministro, José Sócrates, Miguel Real afirma peremptoriamente que "(...) é um perfeito pombalino (...)", a que se associam todos aqueles que, sentido alguma vergonha em se assumirem como portugueses, preferem ver no paradigma europeu a poção mágica para a náusea social que vai espreitando ao nosso redor quotidiano.

Há que recuperar, a todo o custo e o mais depressa possível, a linha da frente desse pretenso pelotão europeu de referência ; redescobrir, portanto, o novo Brasil,  chamado Europa, a única janela entreaberta para amortecer a queda vertiginosa do nosso Quinto Império, aquele a quem Vieira vaticinou como sendo o instrumento de Deus, para fazer reinar a paz e a prosperidade. 

 

    Malgrado esta demarcada tendência de morte acelerada de um velho país desgastado,  o novo berço acolhedor, centrado no eixo franco-alemão, vá criando ilusões vãs cuja realidade transfigurada se confunde, cada vez mais, com um novo recém-criado pseudo-Portugal, no qual nenhum destes quatro traços psicanalíticos vê chegada a hora da sua constatação.  D. Sebastião, a Saudade, o Fado, o Quinto Império e a História legada pelos nossos antepassados, teimam, assim, em vestir-se de tonalidades cromáticas pouco apreciadas pelas novas gerações, os vestutos cinco escudetes do estandarte, já imersas nesta nação europeízada em costumes pós-modernos.

O resultado desta marasmo colectivo é, tão somente, um Portugal europeu  "asséptico, inodoro e incolor", no qual "os princípios espirituais, religiosos, filosóficos que nos governaram" se encontram em vias de extinção, em troca de um relativismo europeu, provavelmente, mais americanizado e carcomido...

Não deixa de ser estranho, notam, os Surreal, em jeito de apontamento final,  que, no seio de um "tudo é possível" ético, brote, com crescente confiança, um modelo de Estado de matizes autoritários light, adornadas por uns cosméticos darwinistas, ora eugénicos, ora tecnocratas.

 

 

 

 

Afinal de contas, que Europa é esta ?  Que novo Portugal estaremos nós a engendrar, por via destas resoluções ?

Da nossa parte, entendemos que, em primeira instância, nós portugueses, sem complexos em ter complexos, devemos, prioritariamente, "olhar para dentro de nós mesmos" e perceber aquilo que, realmente, nos distingue dos outros povos.

 

A Europa virá depois : só assim, com este tipo de contributo nacional, a garantir por cada um dos Estados- Membros, será viável um inovador modelo europeu verdadeiramente sólido para as gerações vindouras ...

 

                

Sinto-me: UM PORTUGUÊS REJUVENESCIDO !!!
Publicado por $urrealHumanity às 22:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
|

.Lloret de Mar

.Mais sobre mim

.Tu fazes parte deste número

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Favoritos :

. Apresentações CCC on the ...

.LinKs

blogs SAPO

.subscrever feeds