.Posts Recentes :

. PREFÁCIO DO RELATÓRIO DO ...

. ARQUITECTURA COVILHANENSE...

. VOLTA A PORTUGAL DOS LIVR...

. REGIÃO DE TURISMO DA SERR...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

. EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITE...

.Arquivos :

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Pesquisar neste Blog

 

.Uma Rádio feita só para ti

.tags

. todas as tags

.Apresentação de final de período

Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

EXCERTOS DA PRODUÇÃO LITERÁRIA DOS SURREAL NO ÂMBITO DA SUA PARTICIPAÇÃO NO CONCURSO LITERÁRIO 2008

 

PARTE II

 

 

Que bom seria que nos entregássemos a ouvir, sem pestanejar, o catártico “Adagietto” da Quinta Sinfonia de Gustav Mahler, e agarrássemos, decididos e sem bocejar, o transparente cordão umbilical que continua a manter-nos ligados ao mundo e ao Eterno. Sem rodeios, diria que a Alegria é, por definição, a mais melodiosa canção de Liberdade. Por certo, teria ficado mais fácil compreender o que está, realmente, em causa : Elas prefeririam, mesmo sem laivos de garantia, no lugar de Platão e de Vermeer, ver-se premiadas com o colo sempre acalentador da Mãe, onde sabem poder respirar Amor Puro ; e com os calejados braços do Pai, para se sentirem elevadas ao mais alto da Vida, e assim alcançar, o transcendente horizonte da sua própria liberdade. E é, deste modo, que a figura do Pai Lhes tentará explicar que, só se entregando, poderão ser felizes ; enquanto que a presença da Mãe, Lhes indicará que, só sendo felizes, é que Eles se poderão vir a entregar.

 


“Deixai vir a Mim as Criancinhas, não as estorveis : dos que são como Elas é o Reino dos Céus”( Mc 10, 13 - 16 ), escreveria, para séculos sem fim, em nossos carnosos corações, com a pena leve do Seu Amor, o único Homem que verdadeiramente dividiu a história em dois, com a Sua Inversora Espada de Dois Gumes, o do acutilante Amor e o da cortante Verdade : Jesus de Nazaré, O Filho do Homem. No meu modesto entendimento, de mero leigo na matéria, o Sermão das Bem-Aventuranças ( cf. Mt 5 , 1 - 12 ), com todo o natural mérito que lhe advém, o mais sublime Hino à Liberdade alguma vez escrito, é essa Alegria das Crianças tão aguardada pelo mundo - reitere-se a feliz coincidência da rima -, que Platão e tantos outros, nunca chegaram a doar à posteridade, onde agora nos vemos inseridos. E nós, que Lhes doamos de tão importante assim, que possa vir a germinar e a florescer pelos Seus autóctones campos do Ser ?


Tenho de confessar o frenético fervilhar de questões que, repetidamente, me assola a alma, exigindo de mim uma resposta cabal ; o facto é que não consigo deixar de me interrogar. Como fazer com que Elas, a cada dia que passa, possam ser mais, e mais, felizes ?


O que é que nos edifica, dignifica e deifica enquanto Homens, afinal de contas ?


A resposta que me ocorre : o Amor, claro. E o caminho a percorrer até Ele : a Educação, naturalmente. Amar será sempre educar na perfeição ! Educar deverá ser amar exemplarmente !


A montante das mais vulgares aparências, educar é, na sua dimensão mais profunda, ensinar a amar, mas amando ; e assim, descortinar na máxima diferença, aquilo que continua, e continuará, sempre a unir-nos. Educar, é também, dentro desta perspectiva, ensinar a escolher para a Eternidade, sorrindo, mas ter a coragem de não escolher. É mostrar que as Ideias que aparentam separar-nos, e todas as demais ilusórias contradições, acabam por desaguar na foz de um mesmo, e único, oceano de Amor. Educar, é acima de tudo, mostrar que a perda de um amor, nada tem que ver com a perda do Amor. O Amor nunca se perde, pode é levar tempo a construir ; em relação à Educação, ela deve ser a plataforma para essa construção.

 

Mas seja como for, essa dita escolha, ou a nossa última palavra, não pode deixar de ser exclusivamente nossa. A jusante, ficará guardada, a sete chaves, a plausibilidade de o virmos a testemunhar, nalguma fatia, bem servida, de Eterno Presente.

Sinto-me: UM POETA, SEM PÊRA, E PERAS !
tags:
Publicado por $urrealHumanity às 15:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos Favoritos
|

.Lloret de Mar

.Mais sobre mim

.Tu fazes parte deste número

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Favoritos :

. Apresentações CCC on the ...

.LinKs

blogs SAPO

.subscrever feeds